Como ter uma alimentação balanceada todos os dias

setembro 15th, 2016 | Posted by Giselle in Arquivo

Comer bem é praticamente uma obsessão. Nunca foi tão grande a busca por uma alimentação balanceada, que satisfaça as necessidades do organismo e não tire o corpo da linha. Mas, como somos bombardeados por informações sobre esse assunto – alguns dizem que se deve cortar os açúcares, outros, as gorduras e tem, até mesmo, quem acredite que os carboidratos são os vilões, muitas vezes, ficamos sem saber o que é certo ou errado. Para tentar solucionar essas dúvidas, o endocrinologista Alfredo Halpern, criador da Dieta dos Pontos, explica como balancear a alimentação e dá um toque importante para nós, brasileiros: ‘Nosso prato feito (arroz, feijão, carne, le gumes e salada) é ótimo, recomendado para tudo”.

Preferência nacional
É isso mesmo: por incrível que pareça, o segredo da alimentação balanceada está muito próximo da nossa mesa. Porém, de uns tempos para cá, o prato tradicional
do brasileiro vem sendo trocado por outras alternativas menos saudáveis. “E essa mudança na alimentação é a razão pela qual os brasileiros estão engordando cada vez mais, causando um aumento do número de pessoas obesas”, explica Alfredo Halpern.
O médico também aponta que o grande erro dessa nova forma de se alimentar é comer rápido demais e ter “americanizado” o cardápio, incluindo muitos sanduí ches e fast-foods. “Come-se rápido, mal e em quantida de exagerada. Come-se muita gordura, que é o que predomina na alimentação do americano e também está prevalecendo na alimentação do brasileiro”, completa.
Mas é importante destacar que nem todas as gorduras são ruins, ao contrário do que normalmente se pensa. Os azeites de oliva e canola, além das outras gorduras vegetais, são benéficos para combater o colesterol ruim e as doenças arteriais, O que se deve evitar realmente são as gorduras saturadas (frituras, manteigas, sorvetes) e a gordura da carne. “Nenhuma alimentação que proíbe algum dos nutrientes é correta. Todos os elementos são necessários para o organismo”, previne Halpern.

Arroz com feijão
Mas o que você deve fazer para solucionar a questão? Para o endocrinologista, o ideal é voltar aos velhos hábitos alimentares nacionais. Ele explica que não existe um prato ideal e sim uma proporção de nutrientes mais indica da: 25 a 30% de gordura de pre ferência monossaturada (azeite de oliva ou óleo de canola) e vegetal polissaturada (óleo de girassol, milho ou soja) 1 5% de proteínas nas (carnes e feijão), 50 a 6 de carboidratos (massas, arroz, pães e batata) e muitos micronutrientes (vitaminas e sais minerais encontrados em frutas, legumes e vegetais). Ou seja, o prato ideal tem uma porção não muito grande de carne magra, peixe ou frango, uma boa quantidade de grãos e muitas verduras e legumes. E, para completar, na sobremesa, opte por uma fruta.

O ritual da alimentação
Porém, não é apenas com o que compõe o prato que devemos nos preocupar: o jeito de comer também é muito importante. A primeira dica é evitar pular as re feições, pois o organismo não está estruturado para ficar muito tempo sem receber alimentos. “Teoricamente, a cada três ou quatro horas, a pessoa deveria comer um pouquinho, explica Halpern. Isso porque, depois desse tempo, ocorre a elevação de um hormônio chamado grelina, responsável pela sensação de fome. “E a pessoa que pula a refeição, se tiver tendência, comerá compulsivamente depois. E, mesmo se não for compulsiva, na próxima refeição, comerá mais”, explica o médico. Além disso, ficar muito tempo sem se alimentar faz mal para a saúde, podendo provocar doenças de estômago, como úlcera e gastrite. Também é importante evitar comer demais no período noturno. “A pior alimentaçã é aquela em que a pessoa não come nada durante o dia e exagera durante a noite”, completa.

Fonte: Dietas Ano 4 no.8

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 You can leave a response, or trackback.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *