Químicos elevam risco de obesidade

setembro 15th, 2016 | Posted by Giselle in Arquivo

Exposição no útero a substâncias de garrafas e embalagens é perigosa

A exposição no útero a substâncias químicas freqüentemente usadas para fazer garrafas plásticas e embalagens de alimentos podem aumentar as chances de uma pessoa se tornar obesa mais tarde na vida. Segundo cientistas americanos, estudos com ratos mostram que os animais expostos a doses das substâncias durante o desenvolvimento tinham peso maior quando atingiram idade avançada, em comparação aos que não foram expostos a estes componentes. – Estamos falando de uma exposição a níveis muito baixos por um tempo reduzido durante o desenvolvimento – disse Jerry Heindel do Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambientais dos EUA. – O fato de o período ser tão sensível pode favorecer a alteração do tecido que aumenta o risco de obesidade. Uma das substâncias é chamada Bisfenol A, encontrada nos plásticos policarbonatos que embalam comidas e bebidas. Uma equipe da universidade americana Tufts mostrou que as ratas expostas ao químico no início da gravidez ganharam mais peso na idade adulta inclusive quando comiam a mesma quantidade de comida e eram tão ativas quanto as outras ratas. Um efeito similar ocorreu com ácido perfluorooctanóico, agente indicador de gordura em produtos como sacos de pipoca de microondas. Os animais eram geralmente pequenos quando nasciam e se tornavam obesos mais tarde. – Um dos problemas é que não sabemos onde todos esses químicos estão – disse Suzanne Fenton, biólogo da Agência de Proteção do Meio Ambiente dos EUA. As substâncias parecem prejudicar o sistema endócrino alterando funções genéticas e metabólicas envolvidas no ganho de peso, segundo Bruce Blumberg, biólogo da Universidade da Califórnia. O resultado é que as células de gordura começam a armazenar gordura de forma mais eficiente, o que faz com que aumentem de tamanho. Blumberg estudou o tributilestanho, químico presente em tintas, plástico filme usado para embalar alimentos e fungicida para plantações. A descoberta sugere que os cientistas precisam identificar biomarcadores para identificar as pessoas em risco. A Organização Mundial de Saúde estima que 400 milhões de pessoas sejam obesas, um problema que aumenta o risco de condições como diabetes do tipo 2 e doenças cardíacas. Estudos anteriores já haviam ligado estes químicos – também encontrados em canos de água – ao câncer e a problemas reprodutivos, levando vários países e os EUA a considerar banimentos ou limites aos componentes.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 You can leave a response, or trackback.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *