Pitaya: a fruta brasileira que emagrece!

setembro 15th, 2016 | Posted by Giselle in Arquivo - (0 Comments)

Conhecida como Koubo ou Fruta do Dragão, é a nova aposta para um corpo zerinho

Que mulher não deseja transformar toda a gordura e açúcar ingeridos na alimentação em zero calorias e nem um grama a mais na balança? Parece até um sonho, mas ele pode se tornar realidade se você incluir no cardápio uma frutinha tipicamente brasileira: a pitaya. Com sabor levemente adocicado, ela traz diversos benefícios para quem precisa afinar, porque tem ação termogênica. Quer dizer, apresenta uma maior dificuldade em ser digerida pelo organismo e, com isso, aumenta o gasto energético, auxiliando na queima de gordura. “Isso acontece porque a tiramina, um aminoácido presente na pitaya, ativa um hormônio do nosso organismo chamado glucagon, que estimula o próprio corpo a utilizar as reservas de açúcar e gordura e transformá-las em energia”, diz a nutricionista do Dietnet Assessoria Nutricional, Lara Natacci, de São Paulo.

Nadinha de fome!
Se não bastasse transformar o doce e a gordura em zero calorias, ela ainda acaba com a fome. É que o glucagon também promove aumento da produção de glicose e leva o corpo a entender que o organismo está alimentado, enviando ao cérebro sinais de saciedade. A tiramina também inibe o apetite, especialmente por doces, diminui o colesterol ruim (LDL), tem propriedades diuréticas e antioxidantes, e é rica em vitamina C. Gostou?

Coma, beba ou ingira agora!
O melhor é que, como é cultivada em solo brasileiro, você a encontra facilmente no supermercado, principalmente de novembro a março, que é sua época de colheita. É possível consumi-la in natura ou utilizá-la em sucos, e tomar cerca de meia hora antes, preparado com duas porções da fruta. De preferência, não o faça em centrífuga e nem coe para preservar as fibras. “Se você optar pela forma líquida, vale à pena associá-la a outros alimentos com ação termogênica, como o chá verde, para turbinar os resultados”, fala a nutricionista e professora da Universidade São Camilo, Samantha Rhein, de São Paulo. Dá também para ingerir as cápsulas do koubo, que são vendidas em dosagem de 200 mg a 400 mg, mas antes consulte um médico para saber a quantidade adequada. “As pílulas apresentam um resultado melhor porque são constituídas do extrato de diversas partes da planta: caule, flor e fruta, propriamente dita. Mas antes de comprar, converse com uma nutricionista”, informa Lara Natacci.

Tome cuidado!
Produzidas em farmácias de manipulação, as cápsulas são contraindicadas para diabéticos e pessoas com síndrome do ovário policístico, pois o composto tem ação hiperglicemiante, ou seja, contrária à insulina, aumentando o nível de açúcar no sangue. Pelo mesmo motivo, não deve ser consumida em excesso, uma por dia é o suficiente, combinado?

Fonte: Revista Shape

Consulta pública aberta em 24 de setembro recebe sugestões até o dia 14.
Cirurgia é indicada a obesos graves ou moderados com doença associada.

O Ministério da Saúde deve reduzir a idade mínima recomendada para cirurgia de redução de estômago pelo Sistema Único de Saúde (SUS), de 18 para 16 anos. A proposta foi incluída em uma consulta pública, aberta no dia 24 de setembro e prevista para terminar na próxima segunda-feira (14).
A partir daí, será feita a versão final do texto, que será aprovado, publicado e começará a vigorar em todo o país.
A operação bariátrica é indicada para pacientes até 65 anos com obesidade grave ou moderada que tenham doenças associadas ao problema – como diabetes, hipertensão, colesterol alto e alterações nos ossos ou nas articulações.
Na opinião do endocrinologista Alfredo Halpern, do Hospital das Clínicas (HC) em São Paulo, a iniciativa do ministério acompanha uma tendência observada na população, e no futuro essa faixa etária pode ser ainda menor.
"Acho a medida ótima. Antes, só não se operavam adolescentes porque não havia estudos clínicos com eles. Além disso, o risco em pacientes jovens é menor", diz o médico, que também já operou pessoas com mais de 70 anos e viu casos de adolescentes de 13 sendo submetidos ao procedimento no HC, com autorização dos pais.
"Esse intervalo dos 16 aos 65 anos é apenas um protocolo, pois o médico pode indicar a cirurgia bariátrica em casos extremos, que fogem desse limite", afirma Halpern.

Outros pontos
A consulta pública do ministério também aborda questões como a estrutura hospitalar para atender aos pacientes obesos, como materiais e equipamentos necessários. Deve haver leitos e salas de cirurgia apropriados e capacidade para cuidar de eventuais complicações no pós-operatório.
A equipe médica mínima deverá contar com um cardiologista, um anestesiologia e enfermeiros. Além disso, o hospital precisa ter de forma permanente: clínico geral, pneumologista, endocrinologista, angiologista/cirurgião vascular, cirurgião plástico, nutricionista, psiquiatra/psicólogo, assistente social e fisioterapeuta.

Fonte: Globo.com

Aprenda a pensar como magra e emagreça

setembro 15th, 2016 | Posted by Giselle in Arquivo - (0 Comments)

A auto-hipnose é uma das técnicas mais comentadas no momento para facilitar a perda de peso. Aprenda a mudar o seu jeito de pensar e faça as pazes com a balança

Pela quinta vez no ano você começou uma dieta e, pela quinta vez, fracassou no primeiro bolo de chocolate. Pode parar! Antes de tudo, você precisa mudar seu comportamento em relação à comida – ela não pode ser mais forte que seu desejo de entrar num jeans sequinho. A top model australiana Elle Macpherson recorreu à hipnose para controlar o impulso de comer doce e manter as medidas enxutas exigidas pela profissão, A mesma técnica permitiu que a americana Ellen DeGeneres, apresentadora do programa The Ellen DeGeneres Show, no canal Warner Bros, se livrasse de alguns quilinhos. Elas seguiram as orientações do nutrólogo e hipnotista Paul McKenna descritas no livro Eu Posso Fazer Você Emagrecer, que vendeu mais de 3 milhões de exemplares nos Estados Unidos e na Europa. A versão em português (24,90 reais), lançada este mês pela editora Sextante, também promete fazer barulho.

Reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina, a hipnose é usada atualmente por vários profissionais – de psicoterapeuta a dentista – com o objetivo de induzir o paciente a um relaxamento profundo e, com isso, permitir que o cérebro assuma o controle das emoções, reprogramando sensações exageradas de medo e dor, por exemplo. O mesmo pode ser feito com o impulso de você comer em excesso sempre que está triste ou ansiosa.

Mofidicar a maneira de pensar é estratégico não só para emagrecer mas também para você se manter magra depois. "Para que as transformações físicas e fisiológicas aconteçam de maneira definitiva, primeiro a paciente precisa mudar a mente", afirma Osmar Ribeiro Colás, médico coordenador do Grupo de Estudos de Hipnose da Universidade Federal de São Paulo. Mas esqueça os tradicionais pêndulos para deixá-la sonolenta. O livro de McKenna, por exemplo, vem acompanhado de um CD com o passo a passo para a auto-hipnose – ou seja, você mesma coloca a técnica em prática.

Deitada ou sentada confortavelmente em um ambiente tranquilo, feche os olhos e, aos poucos, diminua o ritmo da respiração. Uma música suave, que desperte lembranças agradáveis, também facilita o relaxamento profundamente. Nesse estágio, procure controlar os sintomas e as emoções que a incomodam, transformando-as em sensações agradáveis. Imagine-se mais magra, bonita e sexy. Você não percebe, mas seu inconsciente recebe sinais para fazer as pazes com a comida, deixando-a mais próxima do peso ideal. Outro exercício é mudar a percepção que tem dos pratos calóricos e que a fazem engordar. "O objetivo é modificar a sensação de prazer atribuída à comida", explica Colás. É provável que, depois disso, em vez de salivar, você sinta enjoo diante de uma torta de limão.

Não é na primeira vez que tudo isso acontece. Por isso, reserve de cinco a dez minutos por dia para colocar a auto-hipnose em prática e persista por algumas semanas. Segundo McKenna, quanto mais vezes repetir as sessões, mais cedo muda a maneira de ver a si mesma, estabelecendo uma nova relação com a comida – sem notar, você passa a comer menos e emagrece.

Quem testou afinou!

Para não voltar a engordar os 6 quilos que perdeu com sacrifício, a psicóloga Fabiana Romanini, 37 anos, de Peruíbe (SP), fez a primeira sessão de hipnose com um profissional. "Assim que fechei os olhos, fui orientada a visualizar uma escada e relaxar a medida que fosse descendo os degraus. E, quando fosse despertada, deveria trazer comigo todas as sensações boas vividas nessa experiência", lembra Fabiana. Na segunda sessão, ela deveria imaginar uma sensação intensa de enjoo com doces e prazer em comer fruta. Depois disso, a psicóloga emagreceu mais 5 quilos, chegando a sua meta de pesar 57 quilos. Para manter esse resultado, partiu para a auto-hipnose. "Hoje, comer fruta virou um hábito e doce, uma exceção", comemora Fabiana. A dentista Silvia Borges Almeida, 29 anos, de Pelotas (RS), também teve sucesso com a hipnose. Depois de várias tentativas frustradas de emagrecer e engordar, recorreu à técnica para colocar um balão gástrico imaginário. "Continuo comendo de tudo, mas na dose necessária. Se passo do limite, sinto uma espécie de desconforto na boca do estômago", relata Silvia. "Durante a introdução do balão imaginário, a paciente visualiza e acredita que está fazendo a cirurgia", conta Benomy Silberfarb, hipnoterapeuta de Porto Alegre. Silvia emagreceu 11 quilos e continua fazendo hipnose no consultório e sozinha em casa. "A gente fica consciente o tempo todo. É um processo de relaxamento completo e profundo, como se fosse uma meditação."

Fonte: Boa Forma

Fluvia Lacerda é referência de bom gosto no segmento GG e dá dicas especialíssimas para mulheres com manequim acima de 44

Já ouviu falar na Gisele Bündchen plus size?
O nome dela é Fluvia Lacerda, top brasileira do segmento GG que brilha no exterior e, atualmente se divide entre o apartamento de Nova York e o de sua cidade natal, Roraima. Muito bem resolvida com suas “curvas consistentes”, como ela mesma define, Fluvia é referência de moda e bom gosto – que ela foi buscar nos Estados Unidos e está trazendo para o Brasil com sua nova coleção De onde eu vim, La Mafê by Fluvia Lacerda. Aproveitamos o coquetel de lançamento dos modelitos, que aconteceu nesta segunda-feira (12.11), para ouvir as dicas especialíssimas da modelo para asmulheres com manequim acima de 44.

* Fuja das peças de malha. Elas esquentam e marcam demais. Aposte em peças de tecido leve, como seda e chiffon. Atualmente as transparências são minhas preferidas. Adoro combiná-las com blusas coloridas por baixo.

* É sempre bom ter um blazer para compor o visual. Ele te permite usar e abusar de um vestido mais justo sem perder a elegância. E nada de só investir no preto. Deixe os tons mais discretos para as peças de baixo e opte por blazers coloridos, listrados, floridos e o que mais te agradar.

* Cuidado com os comprimentos. As saias devem estar sempre na linha do joelho, de preferência um dedinho acima, para que não te engorde mais e não fique subindo conforme você anda.

* Um cinto sempre cai bem quando usado logo abaixo dos seios, mas evite qualquer faixa na região da cintura se não quiser parecer um pouquinho maior.
* Peça coringa: Jeans de lavagem escura e caimento correto – sem ser justo ou largo demais. Aliás, é importante ressaltar que justo é diferente de agarrado, nenhuma parte do corpo pode estar “pulando” quando você veste uma peça, se estiver assim é muito deselegante!

* O mais importante é você estar se sentindo bem com você mesma, se aceitar do jeito que você é e não deixar que outras pessoas influenciem sua vida pessoal. Isso vai te fazer usar um biquíni no verão, por exemplo, fugir de todos os clichês do guarda-roupa da mulher plus size e ser feliz. Essa dica, também é da Gabi Gregg, dona do blog sucesso gabifresh e amiga da Fluvia.

Fonte: Revista Glamour

A caminhada nórdica nasceu como esporte de verão nos países do norte da Europa. Para não perder o ritmo do treino durante os meses sem neve, os esquiadores passaram a levar seus bastões para fazer trilhas nas montanhas. A atividade virou febre no continente e acabou de desembarcar aqui – se você mora em cidade grande, já deve ter visto alguém caminhando na rua ou no parque com os bastões.

Esses acessórios são a grande sacada do esporte. Parecidos com os utilizados no esqui, obrigam a acionarmais músculos do que na prática convencional. “Ao fazer o movimento de vaivém com os bastões, você trabalha braços (principalmente o tríceps), ombros, costas e peito, além de pernas, glúteos e abdômen, que já são recrutados na caminhada normal”, comenta a professora de educação física Cida Conti, de São Paulo, que desenvolveu uma técnica de condicionamento baseada no método e forma professores da modalidade. Com mais músculos em ação, o gasto calórico aumenta até 25%, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Brighton, na Inglaterra. Assim, se uma hora de caminhada normal queima 320 calorias, o mesmo tempo e intensidade de caminhada nórdica detona 400 calorias. “O acessório também deixa a atividade mais dinâmica, pois funciona como um impulsor, favorecendo a amplitude da passada e a velocidade do exercício”, completa Cida.

Mais fôlego, menos impacto

Além de turbinar o gasto calórico e acelerar a perda de peso, a caminhada nórdica sai na frente no
quesito capacidade aeróbica, pois eleva a frequência cardíaca 15% mais do que a prática normal. Faça o teste: ande alguns minutos sem os bastões e tire a pulsação. Em seguida, caminhe o mesmo tempo e na mesma velocidade usando os bastões e comprove os batimentos mais acelerados. Tem mais: caminhar com os acessórios permite apertar o passo e sobrecarregar menos os joelhos. “A redução acontece porque você trabalha também com os apoios dos braços, transferindo o peso do corpo a cada passada”, explica o ortopedista Fabio Ravaglia, de São Paulo, que é um dos pioneiros na prática da modalidade no Brasil. E o exercício ainda fortalece o esqueleto. Um professor da Universidade de Graz, na Áustria, conduziu um estudo para determinar os efeitos dele em portadoras de osteoporose e constatou um aumento da densidade óssea das participantes. “O impacto dos bastões com o chão vai aumentar a densidade dos ossos de braços, mãos e escápulas e fortalecê-los”, fala Fabio. As costas também agradecem. “Usados na altura certa, os bastões obrigam a caminhar com a coluna reta, o que previne dores e desvios na postura”, diz ele

Mais do que fortalecer o corpo, a ciên cia comprovou que a caminhada nórdica faz bem para as emoções. Um grupo de pesquisadores da Universidade de Wisconsin- La Crosse, nos Estados Unidos, comparou o desempenho de três grupos de voluntários: um de sedentários, um de praticantes de caminhada nórdica e outro de caminhada normal. Após doze semanas de testes, a turma que andou com a ajuda dos bastões apresentou uma diminuição significativa no quadro de depressão, raiva e outras perturbações do humor. As explicações para essa melhora estão ligadas à satisfação
pessoal em aprender uma nova atividade e ao exercício em contato com a natureza.

Outro estudo, finlandês, concluiu que a caminhada com bastões ajuda a amenizar dores no pescoço e nos ombros – o que reflete no humor. “A movimentação da parte superior do corpo contribui para a oxigenação, o alongamento e o relaxamento dessa musculatura, que fica tensionada principalmente em quem trabalha muito tempo sentado ou na frente do computador”, explica o preparador físico finlandês Risto Kasurinen, CEO da Gymstick International, empresa que fabrica bastões para caminhada nórdica. Ou seja: a modalidade é puro benefício!

Treino que elimina mil calorias por semana

Quer experimentar a caminhada nórdica? A professora Cida Conti montou um plano semanal para você. A cada duas semanas, acrescente 5 minutos de exercício de segunda a sexta e uma série no treino intervalado de sábado para aumentar o gasto calórico.

• Segunda: 30 min de caminhada nórdica no plano = 200 calorias

• Quarta: 30 min de caminhada nórdica com subidas e descidas leves = 250 calorias

• Sexta: 30 min de caminhada nórdica no plano = 200 calorias

• Sábado: 32 min = 10 min de caminhada nórdica no plano para aquecer + treino intervalado com 4 séries de 2 min de caminhada nórdica rápida + 1 min de caminhada nórdica lenta + 10 min de caminhada nórdica no plano para desaquecer = 350 calorias

O movimento certo

Costas: Mantenha a postura alinhada.
Braços: Com os cotovelos flexionados a 90 graus, segure um bastão em cada mão na diagonal. A empunhadura deve ficar entre o umbigo e o peito e a extremidade de baixo ligeiramente virada para trás. Dê impulso com o bastão quando ele estiver na frente do tronco.
Mãos: As mãos abrem e fecham no ritmo da caminhada, para permitir que o bastão acompanhe o balanço dos braços. Assim que a ponta emborrachada encostar o chão, feche as mãos, segurando
o bastão, e empurre-o para trás para ganhar impulso. “Quem está começando pode manter as mãos
fechadas o tempo todo”, sugere a professora.
Pés: O bastão toca o chão ao mesmo tempo em que o calcanhar da perna oposta. Depois, a pisada
passa pelo meio e para a ponta do pé e o bastão sai do chão.
Pescoço: Ombros e pescoço ficam relaxados e o olhar voltado para a frente.
Pernas: As pernas e os braços se movimentam alternadamente. “Quando der o passo com a perna direita, gire um pouco o tronco e leve o ombro esquerdo à frente. Quando e perna esquerda for para a
frente, o ombro direito também vai”, ensina Cida Conti.

Acessório sob medida

Para praticar sem se machucar, você vai precisar de um par de bastões do comprimento ideal para a sua altura. Alguns modelos têm tamanho fixo (geralmente entre 90 centímetros e 1,35 metro) e outros possuem ajuste de altura. Na hora de escolher o seu, cheque se o comprimento do bastão na vertical fica entre o umbigo e o peito. Outro jeito de descobrir é segurar o bastão com os cotovelos flexionados a 90 graus – ele deve ter a altura das mãos até o chão. Feitos de fibra de vidro ou alumínio, eles são leves – cerca de 300 gramas os dois – e resistentes a topadas e terrenos acidentados. Existem várias marcas e versões do equipamento, com preços que vão de 80 a 350 reais (o que você vê aqui, da Gymstick, pode ser encontrado na loja virtual escolafitness.com.br e custa 265 reais). Ele deve sempre ter uma empunhadura com uma espécie de luva sem dedos na extremidade de cima e, na de baixo, uma ponteira emborrachada, que pode ser retirada quando você for usar em superfícies macias, como a areia.

Fonte: Boa Forma

Dietas

setembro 15th, 2016 | Posted by Giselle in Arquivo - (0 Comments)

A dieta que está no sangue. Autor – Sérgio Augusto Teixeira

A cirurgia

O processo cirúrgico deve durar no máximo cinco horas e pode ser feita mais
de uma região por vez. As mulheres querem recuperar os seios e as nádegas. Os homens dão atenção especial à parte pubiana, para retirar a pele e gordura ao redor do pênis. O consenso de ambos é o abdômen: por trazer mais seqüelas, é
pesado e atrapalha na hora da higiene pessoal, pois as sobras de pele podem
causar assaduras e odores indesejáveis em decorrência do suor. A região mais cara é a facial e é a menos procurada.
Segundo a recomendação do Dr. Passos, a cirurgia deve ser feita em ambientes hospitalares, com cirurgiões referenciados e membros da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Informar-se antes sobre o pós-operatório é essencial. É inevitável o repouso físico, uso de cinta por 30 dias, fazer drenagem linfática e evitar ficar exposto ao sol. Após a cirurgia plástica há um ganho de qualidade de vida, auto-estima e uma felicidade que não tem preço. Vestido, não tem como perceber que a cirurgia foi feita. As roupas caem perfeitamente, não há marcas e a sombra da obesidade é deixada para trás. Para a maioria dos pacientes isso é melhor do que qualquer cicatriz.

Fonte: Corpo e Plástica

É só você que pode!!!

setembro 15th, 2016 | Posted by Giselle in Arquivo - (0 Comments)

Quando decidi desenvolver este site, pensei exatamente em como poderia ajudar as pessoas que estão hoje passando por situações que eu passei por um bom tempo da minha vida.
Pessoas que nÃo estão felizes com suas aparências, que não conseguem virar a mesa e dar um basta mudando suas vidas.
Pessoas com baixa estima que ficam paradas no tempo, sentindo-se atadas, sem conseguir resolver esta situaçao e seguir em frente, que se sentem inferiores sem "força de vontade", acho que foi a frase que eu mais escutei em toda a minha vida.
Mas como explicar? Tudo que eu sempre quis eu consegui realizar, porque na hora de peder peso tudo muda e nós perdemos o controle da situaçao nos tornando reféns do fato?
Aonde está o problema? Como deixamos chegar a este ponto? Porque eu?
Sao estes sentimentos e estas perguntas que nós precisamos resolver em primeiro lugar para podermos nos libertar do papel de vítimas e começarmos a resolver nossas diferenças com o peso.
Nós não somos pessoas inferiores, não somos sem força de vontade e não somos as únicas que precisamos perder peso neste mundo, nós temos um problema e ele precisa ser resolvido da melhor maneira possível.
E a única pessoa capaz de resolver este problema somos nós mesmos, seja da maneira mais simples, através de uma reeducação alimentar, seja de uma forma mais drástica, como a redução do estômago, está nas nossas mãos! Nosso sucesso só depende de nós mesmos!

Requeijão

setembro 15th, 2016 | Posted by Giselle in Arquivo - (0 Comments)

1 porção de Requeijão cremoso danúbio 0% – 20 cal
1 porção de Especialidade láctea light poços de caldas – 40 cal
1 porção de Especialidade láctea light Paulista – 40 cal
1 porção de Especialidade láctea com requeijão cremoso light Leco – 45 cal
1 porção de Especialidade láctea light Vigor – 45 cal
1 porção de Especialidade láctea light Nestlé – 45 cal
1 porção de Requeijão cremoso light Danúbio – 50 cal
1 porção de Especialidade láctea com requeijão cremoso Vigor – 60 cal
1 porção de Especialidade láctea com requeijão cremoso Leco – 60 cal
1 porção de Queijo cremoso light Danúbio – 60 cal
1 porção de Queijo cremoso tradicional Danúbio – 70 cal
1 porção de Especialidade láctea com requeijão Nestlé – 70 cal
1 porção de Requeijão cremoso tradicional Danúbio – 80 cal
1 porção de Especialidade láctea tradicional Poços de Calda – 80 cal
1 porção de Especialidade láctea tradicional Paulista – 80 cal

Fonte : Dieta já no. 107

Ovo

setembro 15th, 2016 | Posted by Giselle in Arquivo - (0 Comments)

1 ovo de codorna inteiro – 16 cal
1 clara cozida de ovo de galinha – 15 cal
1 ovo de galinha frito no óleo – 104 cal
3 colheres (sopa) de ovos mexidos – 195 cal
1 ovo de galinha inteiro cozido – 71 cal
1 gema de ovo de galinha cozida – 54 cal
1 gema frita de ovo de galinha – 54 cal
3 colheres (sopa) de ovos mexidos com queijo – 220 cal.